Restrito- login: Senha: Esqueci a senha

No ar

Esporte Notícia

25/5/2015
Após determinação da CBF, número de amarelos por reclamação dispara

Com a introdução da orientação de tolerância zero aos "pitis" no futebol brasileiro, o número de cartões amarelos na Série A por reclamação decolou em 2015. A recomendação da CBF de advertir os jogadores que desrespeitarem os homens do apito tem sido seguida de forma contundente pela maioria. Com isso, apenas nas três primeiras rodadas da atual edição, 37 cartões foram aplicados por essa razão.

Segundo levantamento do LANCE!, levando em conta as súmulas, o saldo é muito maior do que no mesmo período do campeonato de 2014, quando a ordem de amarelar os "desbocados" não existia de forma tão clara. Ano passado, depois de 30 jogos, foram apenas oito cartões por "reclamar contra arbitragem ou protestar contra a decisão tomada pelo árbitro". O aumento é de 362%.

A intolerância à reclamação trouxe a reboque o aumento dos números gerais de cartões. Nas três rodadas iniciais de 2014, foram 127 amarelos. No mesmo período de 2015, já são 172 cartões. Em 2014, as advertências por reclamação até a terceira rodada representaram 6,2% dos cartões amarelos aplicados até então. Em 2015, esse percentual saltou para 21,5%.

NÚMEROS DE CARTÕES ATÉ A 3ª RODADA

                AMARELOS        VERMELHOS      RECLAMAÇÃO (só amarelos)

2014           127                        4                            8

2015           172                        9                           37

Um ataque verbal à arbitragem já resultou, inclusive, no cartão vermelho para o atacante Walter, do Atlético-PR, no confronto de domingo com o xará de Minas Gerais. "Você não viu a falta. Está fazendo o que aí? Não serve para nada! Vai tomar no seu c...", foi o que disse o atacante ao quarto árbitro, segundo a súmula. Não teve choro, nem vela. Chuveiro mais cedo.

Habituados à cultura da reclamação e ainda sem saber direito qual o limite da tolerância dos árbitros, os jogadores estão "chiando". Ricardo Oliveira, do Santos, foi um deles.

- Se há violência, tem que ser punida. Mas nós não podemos ter tantos cartões amarelos assim, pois o futebol fica feio. Está muito rigoroso. Falou com ele, é amarelo - disse o atacante do Peixe.

Mas o intuito da CBF é mesmo diminuir o "blá-blá-blá" com a arbitragem em nome do respeito.

- A palavra-chave desse ano é respeito, sem piti ou qualquer coisa do tipo. Torcedor tem o ídolo e chora por ele. E aí ele vê o ídolo xingando uma autoridade esportiva, que é o árbitro. Aí chega na escola, "eu posso xingar, meu ídolo xinga". Vê o policial, xinga o policial. Virou um desrespeito generalizado. O futebol, que é uma vitrine e tem penetração nas camadas sociais, principalmente nas menores, porque muitos veem no futebol a solução dos problemas, tem que mostrar que é possível ser educado. Que é possível ter uma decisão contra si, ser multado por um guarda, repreendido por uma professora, e aceitar isso de forma normal - afirmou o presidente da Comissão de Arbitragem, Sérgio Corrêa, em conversa com o LANCE! durante a semana.

COBRANÇA DA CBF

A CBF está pressionando os árbitros para que a recomendação seja seguida. Três homens do apito que aliviaram em jogos das duas primeiras rodadas ficaram fora do sorteio para a terceira, segundo o chefe da arbitragem.

- Tivemos na primeira rodada um árbitro que foi muito bem no jogo, mas deixou que um jogador ofendesse o assistente, sem repreensão. Na segunda rodada, mais dois árbitros deixaram. Por isso, ficaram fora do sorteio para a terceira - explicou Corrêa.

Depois da chamada de atenção, o número de cartões da terceira dobrou em relação à segunda, indo de 10 para 20. Na primeira rodada, foram sete amarelos por reclamação. Mas, de acordo com a CBF, não é para amarelar qualquer ponderação com o árbitro.

- Tivemos um pênalti no jogo entre Atlético-MG e Fluminense aos 43 do segundo tempo. Três jogadores do Atlético ficaram a uma distância razoável do árbitro, e falaram "acho que não foi". Uma coisa sem pressão, sem dedo na cara, encontrão. Depois do caso Petros, tivemos seis casos de trombada no árbitro. Virou moda no Brasil. Não vamos aceitar - completou Sérgio Corrêa, relembrando um caso polêmico de 2014, no qual o jogador foi punido pelo STJD com três partidas de gancho.

RANKING DE ÁRBITROS

O paulista Raphael Claus lidera o ranking dos árbitros que mais deram cartões por reclamação no Brasileiro, tanto em números absolutos quanto em média. Ele mostrou seis advertências nas duas partidas que fez. Média de dois amarelos por jogo.

RANKING DE CARTÕES POR RECLAMAÇÃO NA SÉRIE A-2015

                JOGOS  CARTÕES             MÉDIA

Raphael Claus (SP)          2             6             3

Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)                3             5             1,67

Marcelo de Lima Henrique (PE)                3             5             1,67

Thiago Duarte Peixoto (SP)        3             4             1,33

Felipe Gomes da Silva (PR)         1             3             3

Igor Junio Benevenuto (MG)     1             2             2

Jailson Macedo Freitas (BA)       1             2             2

Pericles Bassols Pegado Cortez (RJ)        1             2             2

Luiz Flavio de Oliveira (SP)          2             2             1

Heber Roberto Lopes (SC)          3             2             0,67

Elmo Alves Resende Cunha (GO)            1             1             1

Braulio da Silva Machado (SC)   1             1             1

Ricardo Marques Ribeiro (MG) 1             1             1

Wagner Reway (MT)     1             1             1

Wilton Pereira Sampaio (GO)    1             1             1

Anderson Daronco (RS)               2             0             0

Sandro Meira Ricci (SC) 1             0             0

ATENÇÃO AOS TÉCNICOS

A reclamação dos técnicos também está na mira da CBF. No domingo, Guto Ferreira, da Ponte Preta, entrou em campo para fazer ponderações com Anderson Daronco logo após o fim do primeiro tempo e foi avisado no intervalo que tinha sido expulso.

- Se acabou o primeiro tempo e for conversar com o árbitro, se for treinador, já cometeu a primeira infração. Ele não pode entrar em campo. É proibido. Se entrar, está invadindo. Se for se dirigir ao árbitro sobre a arbitragem, ele está expulso. Para que que ele vai querer ir lá dizer, ainda que seja, "parabéns"? Invasão de campo e falar com arbitragem sobre o trabalho dele... Árbitro não fala com técnico "não bota esse cara não, porque ele é muito ruim" - explica Sérgio Corrêa.

Após a partida, o técnico se defendeu:

- Não ofendi, não disse nada. E ele falou que não era para voltar. Fica difícil trabalhar dessa maneira. Não estou interferindo, atrapalhando. Não reclamando em direção a ele... Se eu não posso gesticular, vou ficar lá de espantalho. Se eu ficasse xingando, ofendendo... Mas não foi isso que eu fiz.

(LANCENET)

Anúncios

Mais notícias

25/5/2015

Semifinais do Sub-17: Tapajós fica no empate contra o Norte e Fla derrota o Santo André

25/5/2015

Goleiro Fernando Henrique confirma acerto com o Remo para a Série D

25/5/2015

Após determinação da CBF, número de amarelos por reclamação dispara

22/5/2015

Com participação de Minowa, reunião no Baenão define sete contratações

22/5/2015

Árbitro Dewson Fernando representa o Brasil em evento na Coreia do Sul

Página 1 de 67 - Primeira Anterior [ 1 ] 2 3 4 5 Próxima Ultima

Anúncios e banners
Endereço

Av. São Sebastião, 622-A - Centro
Cep: 68005-090 - Santarém Pará
Fones: (93) 3523-1066/3522-2692
Fone Fax: (93) 3523-2685

Web Mail