EDITORIAL DO PE. EDILBERTO SENA: Educação regional é peso morto no orçamento municipal
13/8/13

Educação regional é peso morto no orçamento municipal

 Quando órgãos de pesquisa anunciam, que o Brasil tem o índice de desenvolvimento humano baixo, inferior ao da argentina, Chile e Cuba, um dos indicadores é o baixo nível da educação de crianças e jovens brasileiros. O município de Santarém contribui para esse baixo IDH.

Educação é um peso pesado para o orçamento municipal. A Secretaria de Educação do município recebeu ordem superior de cortar gastos na educação. Ela tinha que diminuir horas aulas, espremer as escolas de tempo integral e continuar com escolas multisseriadas. Ao mesmo tempo o orçamento municipal será onerado com uma equipe do tal Núcleo de Gerenciamento de Projetos. Corta na educação e incha a folha com mais um núcleo de funcionários bem mais bem pagos do que professores municipais.

Nenhum professor ou diretor/a ou municipal ou estadual tem salário de 9 mil e 500 reais, porém o coordenador do tal NGO terá salário tal salário. 

Aí chega outro corte na educação; desta vez por parte do Estado. Os indígenas conquistaram o direito de ter escola de ensino médio diferenciado. No entanto a Seduc está montando um esquema para eliminar o ensino médio diferenciado para os indígenas.

A situação vai sendo montada de modo disfarçado, mas caso os estudantes e pais indígenas não reajam, dentro em breve perdem o direito conquistado. Tudo isso indica que recurso se arranja para muita coisa, menos para a educação. Além de mal assistida é de pobre qualidade. E assim, o Brasil continua sub-desenvolvido, mesmo tendo estádios modernos para a Copa do Mundo e até para Santarém.